Os desafios dos novos empreendedores


Deparei-me recentemente com números muito impressionantes divulgados pelo Sebrae, indicando que mais de 3,9 milhões de empreendedores formalizaram micro/pequenas empresas ou registraram como MEIs – microempreendedores individuais. Esse número é cerca de 20% maior do que o de 2020.

Os motivos dessa grande evolução são muitos, incluindo a falta de oportunidades de empregos formais, porém minha avaliação é sobre os desafios inerentes a um novo negócio. Muitas vezes o empreendedor não se debruça completamente sobre alguns pontos que podem ser decisivos para que seu negócio seja sustentável.

Um desses pontos é uma gestão adequada de todos os documentos que o novo negócio vai gerar no decorrer do tempo. São notas fiscais, registros de empregados (se houver), enfim uma longa lista de documentos – virtuais ou físicos – que são regidos por diversas leis e normas.

Entender que há uma necessidade imediata de gestão que acompanhe a evolução da empresa é um passo enorme para evitar dores de cabeça futuras, como extravios de documentos ou demora na localização.

Acreditem: o processo de implementação de uma gestão administrativa eficiente é relativamente simples e pouco oneroso, porém quando não feita de forma adequada abre espaço para passivos muito preocupantes.

Novamente me valendo das pesquisas realizadas pelo Sebrae. Outro levantamento indicou que as micro e pequenas empresas foram responsáveis pela geração de quase 80% das vagas com carteira assinada em 2021. Ou seja, de cada 10 empregos formais criados no Brasil, oito vieram de pequenos negócios.

A questão trabalhista envolve uma série de documentos (registros de presença, promoções, PCMCO, atestados etc.) desde a entrada do profissional na empresa até seu desligamento, e tudo precisa ser documentado para não gerar eventuais passivos. Por isso, que reforço a gestão adequada de todos os documentos.

E ainda importante: não basta ter os documentos em ordem, é preciso ter os processos e normas internas estabelecidos, conhecidos e documentados. Assim, com pouco investimento, mas clareza de ordenação, se garante um futuro administrativamente sustentável e com menores riscos para o negócio.

 

Suely Dias dos Santos

CEO da TÉCNICA Gestão Documental