Inovação tecnológica só faz sentido se o usuário se beneficiar dela


Estive mais uma vez no Congresso Information Management Show, realizado em setembro, em São Paulo. Foram dois dias de debates, discussões e apresentações sobre o avanço das tecnologias para a gestão dos documentos. Especialistas do Brasil e do mundo participam do evento para apresentar e conferir as inovações e os rumos da Gestão Documental.

Um dos debates importantes foi apresentado pela área de pesquisa e desenvolvimento de produtos da IBM, e versou em torno de como os lançamentos tecnológicos acontecem e como as pessoas criam expectativas sobre os novos produtos na área.

A tecnologia tem seu ciclo. Quando é lançada gera uma grande expectativa, cria um sonho tecnológico imediato, o usuário quer adquirir a última geração de notebooks, celulares, tablets, sistemas que vão realizar funções inovadoras. Porém, nem todas as tecnologias entregam o que prometem. Quando isso acontece, os consumidores se desiludem constatando que a tecnologia prometida tem limitações ou é simplesmente inútil.

Há os casos em que depois de algum tempo de expectativas frustradas, as empresas de tecnologia realizam novos lançamentos alinhando as expectativas às demandas reais. Este momento é chamado de amadurecimento, quando há a consciência do que realmente é importante e o que é descartável no mundo real. E no ciclo final, a tecnologia entra em seu platô de uso, ou seja, se consolida junto aos consumidores como ideal, mas por pouco tempo, pois logo entramos num novo ciclo de demandas.

Tudo isso significa o ciclo dinâmico da tecnologia e dos seus lançamentos, as promessas de satisfação imediata, a frustração por sonhos não entregues e o amadurecimento do produto. Em termos de inovação, as tecnologias para a Gestão Documental sofrerão, nos próximos anos, um grande impacto.  Hoje o dado é informação transformada em conhecimento, organizado de forma comparativa e sistêmica, disponibilizado e compartilhado, mas ainda utilizando algoritmos. Nos próximos anos os sistemas serão cognitivos, analisarão as informações e as reconhecerão de forma parecida com o cérebro humano. Para tanto, usarão a semântica, o significado de palavras, de frases inteiras.  Há muito se fala em inteligência artificial, pois bem ela já está aí na Gestão Documental.

Assim como as impressoras 3D, esta será a maior revolução e em sistemas de gestão do conhecimento dos próximos anos, resta saber como esses sistemas serão utilizados para auxiliar os usuários.

Suely Dias dos Santos

Diretora da Técnica Gestão Documental